terça-feira, 27 de setembro de 2011

Dinheiro - A moeda do prazer cristão

 
"Fazei para vós outros bolsas que não desgastem."
Lucas 12.33 

DINHEIRO
A MOEDA DO PRAZER CRISTÃO

O dinheiro é a moeda do prazer cristão. O que você faz com ele —ou deseja fazer com ele— pode trazer ou levar sua felicidade para sempre. A Bíblia deixa muito claro que o que você sente pelo dinheiro pode destruir você:

Os que querem ficar ricos caem em tentação, e cilada, e em muitas concupiscências insensatas e perniciosas, as quais afogam os homens na ruína e perdição (lTm 6.9).


Ou o que você faz com o dinheiro pode servir de base para a vida eterna:

Sejam [os ricos] generosos em dar e prontos a repartir; [...] acumulem para Si mesmos tesouros, sólido fundamento para o futuro, a fim de se apoderarem da verdadeira vida (lTm 6.18, 19).

Estes versículos nos ensinam a usar nosso dinheiro de uma maneira que nos traga o maior ganho possível e o mais duradouro. Em outras palavras, eles advogam o prazer cristão. Eles confirmam que Deus não apenas permite, mas ordena que fujamos da destruição e busquemos nosso prazer pleno e duradouro. Eles mostram que todos os males do mundo advêm não porque nossos desejos de felicidade sejam fortes demais, mas porque são tão fracos que nos satisfazemos com prazeres passageiros que não atendem aos desejos profundos da nossa alma, mas acabam por destruí-la. A raiz de todo mal é que nós somos pessoas do tipo que se acomodam ao amor pelo dinheiro em vez de buscar o amor por Deus. (1Tm 6.10).
(...)


A simplicidade é possível e boa

domingo, 25 de setembro de 2011

The Global Leadership Summit 2011 - Brasil

Pare de pedir para Deus abençoar o que você está fazendo.
Descubra o que Deus está fazendo. Porque isso está abençoado!!!!!



Sua Liderança deve fazer a diferença neste mundo.

Lágrimas do céu - Rodolfo Abrantes

É edificante escutar um louvor de um redimido em Jesus Cristo.


Lágrimas do céu
lavaram toda minha dor,
Tua pureza me atraiu.
Longe do Teu amor,
tudo é frio e cinza.

sábado, 17 de setembro de 2011

Paul Washer - 10 Acusações Contra a Igreja Moderna


Segue um vídeo muito importante para aqueles que se importam com sua salvação e a Igreja de Cristo.


“Em ’10 Acusações Contra a Igreja Moderna’, Paul Washer chama a igreja e os pastores ao padrão Bíblico de doutrina e vida. Alguns disseram que tal pregação figura as 95 teses* de nossa era. Isso somente o tempo dirá, contudo é certo que cada ponto dessa mensagem deve ser martelado na mente e no coração de cada pessoa que deseja ver uma reforma na chamada ‘igreja moderna’.” Vinícius Musselman Pimentel
(*) Em 31 de Outubro de 1517, Martinho Lutero afixou na porta da capela de Wittemberg 95 teses que gostaria de discutir com os teólogos católicos, as quais versavam principalmente sobre penitência, indulgências e a salvação pela fé. O evento marca o início da Reforma Protestante.




Pregado quarta-feira, 22 de Outubro de 2008, na Conferência sobre Avivamento, em Atlanta, Geórgia. Paul Washer dá um apelo urgente para os cristãos e as igrejas na América do Norte, onde muitos têm crido em um falso evangelho e em uma falsa garantia de sua salvação. Ele enumera 10 acusações contra o moderno sistema de igreja na América. Esta é uma mensagem histórica urgente, informe outras pessoas e espalhe a mensagem. Precisamos de uma reforma e um avivamento nos padrões bíblicos! Greg Gordon (Organizador da Conferência sobre Avivamento).
Para baixar o arquivo em texto clique aqui.

Via Voltemos ao Evangelho.


sexta-feira, 2 de setembro de 2011

O que temos de fazer para ser salvos?


Tenho notado uma grande confusão entre cristãos sobre o Único Caminho. O que temos de fazer para ser salvos? Se falar que creio em Jesus sou salvo? Se atendi ao apelo e fui batizado sou salvo? Que é conversão?

Nestes tempos parece até contraditório usarmos Mateus 7.14 “Estreita é a porta, e apertado, o caminho que conduz para a vida, e são poucos os que a encontram”.

Separei alguns trechos do livro - “Em busca de Deus. A plenitude da alegria cristã.” De John Piper – que podem esclarecer sobre estas questões. São reflexões sobre as Escrituras que nos ajuda não somente firmar nossos passos, mas também a conduzir ao próximo a uma genuína conversão.


Por que não dizer simplesmente "crer"? (pag.42)

Alguém talvez pergunte: "Se seu objetivo é a conversão, por que você não usa logo o mandamento bíblico: creia no Senhor Jesus e será salvo? Por que introduzir essa nova terminologia do prazer cristão [em Deus]?

Minha resposta tem duas partes: Primeira, estamos cercados de pessoas não convertidas que acham que crêem em Jesus. Há bêbados nas ruas que dizem que crêem. Casais que dormem juntos sem serem casados dizem que crêem. Pessoas idosas que não têm freqüentado cultos nem procurado comunhão durante quarenta anos dizem que crêem. Todos os tipos de freqüentadores mornos e mundanos da igreja dizem que crêem. O mundo está cheio de milhões de pessoas não convertidas que dizem crer em Jesus. Não adianta dizer a essas pessoas que creiam no Senhor Jesus. A frase é vazia para eles. Minha responsabilidade como pregador do evangelho e mestre na igreja não é preservar e repetir expressões bíblicas tradicionais, mas traspassar o coração com a verdade bíblica.

Isso leva à segunda parte da minha resposta. Há outros mandamentos bíblicos diretos além de "creia no Senhor Jesus e será salvo". A razão de introduzir a idéia do prazer cristão é forçar-nos a dar atenção a esses mandamentos. Como seria se hoje o mandamento bíblico mais direto, em termos de conversão, não fosse "creia no Senhor" mas "tenha prazer no Senhor"? Será que não poucos que têm o coração adormecido não seriam despertados ao ser atingidos pelas palavras: "Se alguém não for nascido de novo para ser um cristão que busca o prazer[em Deus], não pode ver o reino de Deus"?

(...)
{ Primeiro, o prazer cristão, no sentido com que eu uso o termo, não quer dizer que Deus se torna um meio de ajudar-nos a conseguir prazeres mundanos. O prazer que o cristão busca é o que está no próprio Deus. Ele é o fim da nossa busca, não o meio para algum outro fim. Nossa grande alegria é Ele, o Senhor — não as ruas de ouro, ou a reunião com parentes ou qualquer outra bênção do céu. O prazer cristão não reduz Deus a uma chave que abre um baú cheio de prata e ouro. Antes, ele busca transformar o coração de tal modo que "o Todo-poderoso será o teu ouro e a tua prata escolhida" (Jó 22.25). pag.14 }
(...)

O que temos de fazer para ser salvos? (pag.48)

6) Dar as costas ao pecado e confiar no Salvador

6) Os benefícios comprados pela morte de Cristo pertencem àqueles que se arrependem e confiam nele

Arrependei-vos e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados (At 3.19).

Crê no Senhor Jesus e serás salvo (At 16.31).

Nem todo mundo é salvo da ira de Deus só porque Cristo morreu pelos pecadores. Há uma condição que precisamos satisfazer para sermos salvos. Tentarei mostrar que essa condição, descrita aqui como arrependimento e fé, é conversão, e que conversão é nada menos que a criação de um cristão que busca o prazer [em Deus].
(...)


Que é conversão?

A palavra "conversão" é usada apenas uma vez na Bíblia, em Atos 15.3: Paulo e Barnabé "atravessaram as províncias da Fenícia e Samaria e, narrando a conversão dos gentios, causaram grande alegria a todos os irmãos". Essa conversão abrangia arrependimento e fé, como mostram os outros relatos em Atos. Por exemplo, em Atos 11.18 os apóstolos responderam ao testemunho de Pedro sobre a conversão dos gentios nesses termos: "Também aos gentios foi por Deus concedido o arrependimento para vida". E em Atos 14.27 Paulo e Barnabé relatam a conversão dos gentios, dizendo que "Deus [...] abria aos gentios a porta da fé". Conversão, portanto, é arrependimento (dar as costas ao pecado e a incredulidade) e fé (confiar apenas em Cristo para a salvação). Na verdade trata-se dos dois lados da mesma moeda. Um lado é cauda — dar as costas aos frutos da incredulidade. O outro lado é cabeça — voltar-se diretamente para Jesus e confiar em suas promessas. Não se pode ter um sem o outro, assim como não se pode andar em dois caminhos ao mesmo tempo nem servir a dois senhores.

Isso significa que a fé salvadora em Cristo sempre inclui uma profunda mudança do coração. Não é apenas concordar com a verdade de uma doutrina. Satanás concorda com a verdadeira doutrina (Tg 2.19). A fé salvadora é bem mais profunda e penetrante que isso.
 (...)

Quando clamamos: "O que tenho de fazer para ser salvo?", estamos perguntando como receber perdão do pecado, ter comunhão com Deus e escapar da ira vindoura. A resposta é sempre esta: preencha esta condição: converta-se! Isso nos leva à segunda coisa que ficou clara em nossa discussão.

A conversão não é meramente uma decisão humana. Ela é uma decisão humana, mas, ah!, é muito mais do que isso! A fé penitente (ou o arrependimento em fé) baseia-se em um milagre imenso feito pelo Deus soberano. Ela é a respiração de uma nova criatura em Cristo.

A fé salvadora não é algo simples. Ela tem muitas dimensões. "Creia no Senhor Jesus" é uma ordem abrangente. Ela contém uma centena de outras coisas. Se não virmos isso, o conjunto de condições para a salvação no Novo Testamento nos deixará completamente perplexos. Veja esta lista parcial abaixo:

O que tenho de fazer para ser salvo?

A resposta em Atos 16.31 é: "Crê no Senhor Jesus".

Em João 1.12 temos de receber Cristo: "A todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus".

A resposta em Atos 3.19 é: "Arrependei-vos e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados".

Em Hebreus 5.9 é obediência a Cristo. Ele "tornou-se o Autor da salvação eterna para todos os que lhe obedecem". Igualmente em João 3.36: "O que se mantém rebelde contra o Filho não verá a vida".

O próprio Jesus respondeu à pergunta de várias maneiras. Por exemplo, ele disse em Mateus 18.3 que ser semelhante a uma criança constitui condição para a salvação: "Em verdade vos digo que, se não vos converterdes e não vos tornardes como crianças, de modo algum entrareis no reino dos céus".

Em Marcos 8.34, 35 a condição é autonegação: "Se alguém quer vir após mim, a Si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me. Quem quiser, pois, salvar a sua vida perdê-la-á; e quem perder a vida por causa de mim e do evangelho salvá-la-á".

Em Mateus 10.37 Jesus impõe a condição de amá-lo mais que qualquer outra pessoa: "Quem ama seu pai ou sua mãe mais do que a mim não é digno de mim; quem ama seu filho ou sua filha mais do que a mim não é digno de mim". O mesmo se expressa em ICoríntios 16.22: "Se alguém não ama o Senhor, seja anátema".

Ainda em Lucas 14.33, a condição para a salvação é que estejamos livres do amor por nossas propriedades: "Todo aquele que dentre vós não renuncia a tudo quanto tem não pode ser meu discípulo".

Essas são apenas algumas das condições que o Novo Testamento diz que temos de preencher para herdar a salvação final. Temos de crer em Jesus, recebê-lo, dar as costas ao pecado, obedecer a Cristo, nos humilhar como criancinhas, amá-lo mais do que nossa família, nossos bens ou mais do que nossa própria vida. Isso é o que significa converter-se a Cristo. Esse é o 
único caminho para a vida eterna.

E o que reúne todas as condições e lhes confere unidade? E o que as impede de se tornarem uma maneira de obter a salvação pelas obras? Uma resposta é a realidade terrível da fé salvadora: confiar no perdão de Deus, nas promessas de Cristo e no poder do Espírito Santo, não em nós mesmos.
Sim, mas o que há na fé salvadora que une e muda tantas coisas em nossa vida?


A criação de um cristão que busca o prazer [em Deus] (pag.53)

A conversão é o que acontece no coração
quando Cristo se torna para nós
uma arca do tesouro de alegria santa.
A fé salvadora é a convicção do coração
de que Cristo é totalmente confiável
e supremamente desejável.

O que há de novo em um convertido ao cristianismo é o novo gosto espiritual pela glória de Cristo. Jesus mostrou a resposta na pequena parábola de Mateus 13.44

O reino dos céus é semelhante a um tesouro oculto no campo, o qual certo homem, tendo-o achado, escondeu. E, transbordante de [literalmente a partir de sua] alegria, vai, vende tudo o que tem e compra aquele campo.

Essa parábola descreve como alguém se converte e é levado para dentro do reino dos céus. A pessoa descobre um tesouro e é impelida pela alegria a vender tudo o que tem para adquirir esse tesouro. O reino dos céus é a morada do Rei. O anseio de estar ali não é um desejo de ter um terreno no céu, mas de ser companheiro do Rei. O tesouro no campo é a comunhão com Deus em Cristo.

Eu concluo com essa parábola que para entrarmos no reino dos céus nossa conversão deve ser profunda, e convertemo-nos quando Cristo se torna para nós uma arca do tesouro de alegria santa.
___

( trechos do livro - “Em busca de Deus. A plenitude da alegria cristã.” De John Piper)


Em busca de Deus. A plenitude da alegria cristã

Aqui vai uma dica de leitura.



Bem, o que esperar de um livro escrito por John Piper e indicado por Russell P. Shedd? 
Eu tenho me deliciado com a leitura deste livro. Mas, a melhor indicação vem pelas palavras do próprio Russell P. Shedd: “Para mim, o livro Em busca de Deus foi revolucionário, uma verdadeira mudança de paradigmas.” 

Uma Ótima leitura!


quinta-feira, 1 de setembro de 2011

A história das coisas


Segue um vídeo muito esclarecedor sobre a “História das coisas”,ou melhor, a história daquilo que compramos ou consumimos.
Muitas vezes pensamos que somos justos, íntegros, que só participamos daquilo que agrada a Deus. Mas, este vídeo nos faz rever alguns conceitos. A verdade é que se participamos e nos conformamos com o modo de vida do “presente século” prestaremos conta de toda a injustiça que vemos, convivemos e toleramos! Como cristãos somos chamados a rever nosso comportamento, termos valores e princípios inabaláveis da palavra de Deus para andarmos na contra mão deste mundo!!!





Para acompanhar a reflexão deste vídeo segue alguns versículos e uma frase de Martin Luther King:



·          “Assim diz o SENHOR: Por três transgressões de Israel, e por quatro, não retirarei o castigo, porque vendem o justo por dinheiro, e o necessitado por um par de sapatos,” Amós 2.6

·         “Por que gastais o dinheiro naquilo que não é pão? E o produto do vosso trabalho naquilo que não pode satisfazer? Ouvi-me atentamente, e comei o que é bom, e a vossa alma se deleite com a gordura.” Isaias 55.2

·         “mas os cuidados do mundo, a sedução das riquezas e a cobiça doutras coisas, entrando, sufocam a palavra, e ela fica infrutífera.” Marcos 4.19

·         “E disse ao povo: Acautelai-vos e guardai-vos de toda espécie de cobiça; porque a vida do homem não consiste na abundância das coisas que possui.” Lucas 12.15

·         “Ai daquele que edifica a sua casa com iniqüidade, e os seus aposentos com injustiça; que se serve do trabalho do seu próximo sem remunerá-lo, e não lhe dá o salário; que diz: Edificarei para mim uma casa espaçosa, e aposentos largos; e que lhe abre janelas, forrando-a de cedro, e pintando-a de vermelhão. Acaso reinarás tu, porque procuras exceder no uso de cedro? O teu pai não comeu e bebeu, e não exercitou o juízo e a justiça? Por isso lhe sucedeu bem. Julgou a causa do pobre e necessitado; então lhe sucedeu bem. Porventura não é isso conhecer-me? diz o Senhor. Mas os teus olhos e o teu coração não atentam senão para a tua ganância, e para derramar sangue inocente, e para praticar a opressão e a violência.” Jeremias 22. 13-17

·       "E não vos conformeis a este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus." Romanos 12.2
...

“Eu não vou colocar a base de minha fé em bugigangas e invenções. Como um jovem com grande parte de minha vida pela frente, eu decidi bem cedo dar minha vida por algo absoluto e eterno. Não para estes pequenos deuses que estão por aí hoje, e amanhã se vão, mas para Deus que é o mesmo ontem, hoje e para sempre.”
Martin Luther King





Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...