sexta-feira, 2 de setembro de 2011

O que temos de fazer para ser salvos?


Tenho notado uma grande confusão entre cristãos sobre o Único Caminho. O que temos de fazer para ser salvos? Se falar que creio em Jesus sou salvo? Se atendi ao apelo e fui batizado sou salvo? Que é conversão?

Nestes tempos parece até contraditório usarmos Mateus 7.14 “Estreita é a porta, e apertado, o caminho que conduz para a vida, e são poucos os que a encontram”.

Separei alguns trechos do livro - “Em busca de Deus. A plenitude da alegria cristã.” De John Piper – que podem esclarecer sobre estas questões. São reflexões sobre as Escrituras que nos ajuda não somente firmar nossos passos, mas também a conduzir ao próximo a uma genuína conversão.


Por que não dizer simplesmente "crer"? (pag.42)

Alguém talvez pergunte: "Se seu objetivo é a conversão, por que você não usa logo o mandamento bíblico: creia no Senhor Jesus e será salvo? Por que introduzir essa nova terminologia do prazer cristão [em Deus]?

Minha resposta tem duas partes: Primeira, estamos cercados de pessoas não convertidas que acham que crêem em Jesus. Há bêbados nas ruas que dizem que crêem. Casais que dormem juntos sem serem casados dizem que crêem. Pessoas idosas que não têm freqüentado cultos nem procurado comunhão durante quarenta anos dizem que crêem. Todos os tipos de freqüentadores mornos e mundanos da igreja dizem que crêem. O mundo está cheio de milhões de pessoas não convertidas que dizem crer em Jesus. Não adianta dizer a essas pessoas que creiam no Senhor Jesus. A frase é vazia para eles. Minha responsabilidade como pregador do evangelho e mestre na igreja não é preservar e repetir expressões bíblicas tradicionais, mas traspassar o coração com a verdade bíblica.

Isso leva à segunda parte da minha resposta. Há outros mandamentos bíblicos diretos além de "creia no Senhor Jesus e será salvo". A razão de introduzir a idéia do prazer cristão é forçar-nos a dar atenção a esses mandamentos. Como seria se hoje o mandamento bíblico mais direto, em termos de conversão, não fosse "creia no Senhor" mas "tenha prazer no Senhor"? Será que não poucos que têm o coração adormecido não seriam despertados ao ser atingidos pelas palavras: "Se alguém não for nascido de novo para ser um cristão que busca o prazer[em Deus], não pode ver o reino de Deus"?

(...)
{ Primeiro, o prazer cristão, no sentido com que eu uso o termo, não quer dizer que Deus se torna um meio de ajudar-nos a conseguir prazeres mundanos. O prazer que o cristão busca é o que está no próprio Deus. Ele é o fim da nossa busca, não o meio para algum outro fim. Nossa grande alegria é Ele, o Senhor — não as ruas de ouro, ou a reunião com parentes ou qualquer outra bênção do céu. O prazer cristão não reduz Deus a uma chave que abre um baú cheio de prata e ouro. Antes, ele busca transformar o coração de tal modo que "o Todo-poderoso será o teu ouro e a tua prata escolhida" (Jó 22.25). pag.14 }
(...)

O que temos de fazer para ser salvos? (pag.48)

6) Dar as costas ao pecado e confiar no Salvador

6) Os benefícios comprados pela morte de Cristo pertencem àqueles que se arrependem e confiam nele

Arrependei-vos e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados (At 3.19).

Crê no Senhor Jesus e serás salvo (At 16.31).

Nem todo mundo é salvo da ira de Deus só porque Cristo morreu pelos pecadores. Há uma condição que precisamos satisfazer para sermos salvos. Tentarei mostrar que essa condição, descrita aqui como arrependimento e fé, é conversão, e que conversão é nada menos que a criação de um cristão que busca o prazer [em Deus].
(...)


Que é conversão?

A palavra "conversão" é usada apenas uma vez na Bíblia, em Atos 15.3: Paulo e Barnabé "atravessaram as províncias da Fenícia e Samaria e, narrando a conversão dos gentios, causaram grande alegria a todos os irmãos". Essa conversão abrangia arrependimento e fé, como mostram os outros relatos em Atos. Por exemplo, em Atos 11.18 os apóstolos responderam ao testemunho de Pedro sobre a conversão dos gentios nesses termos: "Também aos gentios foi por Deus concedido o arrependimento para vida". E em Atos 14.27 Paulo e Barnabé relatam a conversão dos gentios, dizendo que "Deus [...] abria aos gentios a porta da fé". Conversão, portanto, é arrependimento (dar as costas ao pecado e a incredulidade) e fé (confiar apenas em Cristo para a salvação). Na verdade trata-se dos dois lados da mesma moeda. Um lado é cauda — dar as costas aos frutos da incredulidade. O outro lado é cabeça — voltar-se diretamente para Jesus e confiar em suas promessas. Não se pode ter um sem o outro, assim como não se pode andar em dois caminhos ao mesmo tempo nem servir a dois senhores.

Isso significa que a fé salvadora em Cristo sempre inclui uma profunda mudança do coração. Não é apenas concordar com a verdade de uma doutrina. Satanás concorda com a verdadeira doutrina (Tg 2.19). A fé salvadora é bem mais profunda e penetrante que isso.
 (...)

Quando clamamos: "O que tenho de fazer para ser salvo?", estamos perguntando como receber perdão do pecado, ter comunhão com Deus e escapar da ira vindoura. A resposta é sempre esta: preencha esta condição: converta-se! Isso nos leva à segunda coisa que ficou clara em nossa discussão.

A conversão não é meramente uma decisão humana. Ela é uma decisão humana, mas, ah!, é muito mais do que isso! A fé penitente (ou o arrependimento em fé) baseia-se em um milagre imenso feito pelo Deus soberano. Ela é a respiração de uma nova criatura em Cristo.

A fé salvadora não é algo simples. Ela tem muitas dimensões. "Creia no Senhor Jesus" é uma ordem abrangente. Ela contém uma centena de outras coisas. Se não virmos isso, o conjunto de condições para a salvação no Novo Testamento nos deixará completamente perplexos. Veja esta lista parcial abaixo:

O que tenho de fazer para ser salvo?

A resposta em Atos 16.31 é: "Crê no Senhor Jesus".

Em João 1.12 temos de receber Cristo: "A todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus".

A resposta em Atos 3.19 é: "Arrependei-vos e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados".

Em Hebreus 5.9 é obediência a Cristo. Ele "tornou-se o Autor da salvação eterna para todos os que lhe obedecem". Igualmente em João 3.36: "O que se mantém rebelde contra o Filho não verá a vida".

O próprio Jesus respondeu à pergunta de várias maneiras. Por exemplo, ele disse em Mateus 18.3 que ser semelhante a uma criança constitui condição para a salvação: "Em verdade vos digo que, se não vos converterdes e não vos tornardes como crianças, de modo algum entrareis no reino dos céus".

Em Marcos 8.34, 35 a condição é autonegação: "Se alguém quer vir após mim, a Si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me. Quem quiser, pois, salvar a sua vida perdê-la-á; e quem perder a vida por causa de mim e do evangelho salvá-la-á".

Em Mateus 10.37 Jesus impõe a condição de amá-lo mais que qualquer outra pessoa: "Quem ama seu pai ou sua mãe mais do que a mim não é digno de mim; quem ama seu filho ou sua filha mais do que a mim não é digno de mim". O mesmo se expressa em ICoríntios 16.22: "Se alguém não ama o Senhor, seja anátema".

Ainda em Lucas 14.33, a condição para a salvação é que estejamos livres do amor por nossas propriedades: "Todo aquele que dentre vós não renuncia a tudo quanto tem não pode ser meu discípulo".

Essas são apenas algumas das condições que o Novo Testamento diz que temos de preencher para herdar a salvação final. Temos de crer em Jesus, recebê-lo, dar as costas ao pecado, obedecer a Cristo, nos humilhar como criancinhas, amá-lo mais do que nossa família, nossos bens ou mais do que nossa própria vida. Isso é o que significa converter-se a Cristo. Esse é o 
único caminho para a vida eterna.

E o que reúne todas as condições e lhes confere unidade? E o que as impede de se tornarem uma maneira de obter a salvação pelas obras? Uma resposta é a realidade terrível da fé salvadora: confiar no perdão de Deus, nas promessas de Cristo e no poder do Espírito Santo, não em nós mesmos.
Sim, mas o que há na fé salvadora que une e muda tantas coisas em nossa vida?


A criação de um cristão que busca o prazer [em Deus] (pag.53)

A conversão é o que acontece no coração
quando Cristo se torna para nós
uma arca do tesouro de alegria santa.
A fé salvadora é a convicção do coração
de que Cristo é totalmente confiável
e supremamente desejável.

O que há de novo em um convertido ao cristianismo é o novo gosto espiritual pela glória de Cristo. Jesus mostrou a resposta na pequena parábola de Mateus 13.44

O reino dos céus é semelhante a um tesouro oculto no campo, o qual certo homem, tendo-o achado, escondeu. E, transbordante de [literalmente a partir de sua] alegria, vai, vende tudo o que tem e compra aquele campo.

Essa parábola descreve como alguém se converte e é levado para dentro do reino dos céus. A pessoa descobre um tesouro e é impelida pela alegria a vender tudo o que tem para adquirir esse tesouro. O reino dos céus é a morada do Rei. O anseio de estar ali não é um desejo de ter um terreno no céu, mas de ser companheiro do Rei. O tesouro no campo é a comunhão com Deus em Cristo.

Eu concluo com essa parábola que para entrarmos no reino dos céus nossa conversão deve ser profunda, e convertemo-nos quando Cristo se torna para nós uma arca do tesouro de alegria santa.
___

( trechos do livro - “Em busca de Deus. A plenitude da alegria cristã.” De John Piper)


Um comentário:

  1. Como disse João Calvino no século XVI: "... o evangelho não estará recebendo a honra que lhe é devida enquanto não o colocarmos acima de todas as riquezas, prazeres, honras e conforto do mundo; é, de fato, que devemos estar tão contentes com as bençãos espirituais que ele promete que deixamos de lado tudo o que nos pode afastar Dele. Isso porque aqueles que aspiram pelo céu precisam estar livres de todos os empecilhos." ( A harmony of the gospels Matthew, Mark and Luke, vol.2 Grand Rapids, Eerdmans, 1975,p.83)

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...